terça-feira, 4 de novembro de 2014

Blogando da Cozinha: Arroz e Purê de Batata

"KIMONO, ESSE BLOG AINDA EXISTE?"
Não. Isso é tudo uma ilusão do Google para te fazer acreditar que eu tenho "Kimonos" multi-coloridos!

Enfim... Hoje tem um plus nesse Blogando da Cozinha!

Se suas experiências na cozinha sempre dão errado ou você não sabe como proceder com o modus operandi do alimento, relaxe. Seja na base do erro e do acerto, o Kimono Vermelho tem como te dar algumas dicas para melhorar essas skills.



* ~ * BLOGANDO DA COZINHA * ~ *
- Arroz -
Seja puro, com feijão em todas as posições possíveis ou numa mistureba louca, o arroz é um dos alimentos preferidos dos brasileiros e na mesa dos japoneses ele não pode faltar de jeito nenhum!

Já começo aqui com uma curiosidade que nem todo mundo sabe: gohan (arroz "juntos venceremos" que os japoneses comem) é uma coisa, nosso arroz de cada dia é outro. O modo de preparo é diferente e os GRÃOS SÃO DIFERENTES! Não me faz a louca de chamar aquele teu arroz empapado de arroz japonês que não dá certo! Vai caçar briga com os orientais da terra dos quimonos.

Agora que eu já apavorei 0,1% da parcela de seres vivos do planeta, vamos falar sobre o nosso arroz soltinho e delicioso de cada dia.

Bora ver alguns macetes que com o tempo você pode aprimorar sozinho.

1ª etapa
Antes de tudo, coloque uma caneca (também conhecida como "leiteira") cheia de água para ferver. Quando eu digo "cheia" é para deixar pelo menos dois a três dedos abaixo da borda da caneca, já que não queremos molhar o fogão desnecessariamente, além de evitar qualquer acidente.

Agora você precisa saber a quantidade de arroz para a panela que você tem e o tanto de pessoas para quem você cozinhará.
As minhas medidas são intuitivas, pois eu já estou acostumada com os meus utensílios.

Panela pequena, uma pessoa
Um ou um copo e meio (daqueles americanos ou de requeijão). Não se engane, o arroz pode dobrar (ou triplicar) de tamanho. E sim, desta vez é até encher a boca do copo.

Panela pequena, duas pessoas
Dois copos ou dois copos e meio (daqueles americanos ou de requeijão).

Panela média, até três pessoas
Dois copos a três copos (daqueles americanos ou de requeijão).

Panela grande, cinco pessoas
Quatro a cinco copos (daqueles americanos ou de requeijão).

Mais do que essa quantidade, senta, chora e... Você vai precisar de um panelão, um senhor panelão.
E se você ainda não se sente muito seguro, ou é a sua primeira vez fazendo arroz, opte pela menor medida ou a média. Qualquer coisa o prejuízo é menor.

Lembrando que essas medidas acima eu dei de cabeça pelo método chutômetro só para vocês terem uma base. Com a experiência você vai percebendo qual será a melhor quantidade para cada ocasião.

2ª etapa
Já definiu a quantidade de pessoas, arroz e o tamanho da panela? Então é hora de arranjar uma bacia (ou qualquer outro recipiente que te possibilite lavar o arroz).

Coloque as medidas no recipiente e vá para a torneira. Abra, deixe cobrir o arroz, feche (olha o racionamento aí, gente) e lave o arroz.
Com as mãos limpas você vai usar a ponta dos dedos para chacoalhar os grãos, notando assim que a água vai começar a ficar esbranquiçada. Você pode pegá-los com a mão fechada e esfregar uns nos outros.
Percebendo que a água está bem opaca (não dá para ver o fundo), escorra.

Esse é um dos momentos onde as pessoas mais erram, pois não conseguem controlar o fluxo do escorrimento e deixam dúzias e dúzias de grãos se perderem na pia.

A dica infalível é: escorra devagar, sem pressa. É como decantação, se você não der uma de louco, vai dar tudo certo.

Sobrou um pouco de água, mas o arroz está querendo pular fora? Pare de escorrer e volte a bacia na posição horizontal. Lave novamente o arroz, repetindo todo o processo descrito.

Sobrou água de novo, o que faço agora?
Você vai precisar de uma peneira com furos bem pequenos. Não pode ser aquela de macarrão, nem pensar!
A peneira pode ser de metal ou de nylon, de preferência grande ou de tamanho médio, desde que ela comporte a quantidade de arroz que você lavou.

Tanto que se você quiser lavar o arroz na PENEIRA, EU RECOMENDO, pois vai facilitar a sua vida em 200%.

Não tenho peneira, não faço arroz?
Claro que faz! Só que você vai penar mais do que os outros.
Só tem o recipiente? Então escorra o que puder. Se sobrar pouca água não tem problema, você pode pegar uma bacia maior, colocar embaixo, deixar a água escorrer nela e se o arroz cair, você poderá voltá-lo para o recipiente. Que tal? Sem perdas.

Minhas mãos ficaram cheias de arroz, o que faço?
Tire o excesso, oras... Até isso você está me perguntando?

Reserve o arroz, ele ficará escorrendo na peneira (coloque uma leiteira embaixo) ou continuará na sua bacia.


3ª etapa
Temperos!

Você pode fazer arroz com óleo vegetal, banha de porco, manteiga de garrafa, manteiga/margarina, azeite de oliva... Eu não te julgo... Só cuidado com as preferências dos outros que comerão sua comida, porque é sempre chato ter um fulaninho reclamando "não como isso".

Você pode usar alho, cebola, entre outros.
Eu costumo usar óleo vegetal e alho, o sabor me agrada mais.
Em todo caso, lá vamos nós para quantidades de óleo e pãns.

Panela pequena, uma pessoa
Dois a dois dedos meio de copo americano de óleo vegetal.

Panela pequena, duas pessoas
Três dedos de copo americano de óleo vegetal.

Panela média, até três pessoas
Meio copo a quatro dedos de copo americano de óleo vegetal.

Panela grande, cinco pessoas
Um copo cheio daquele americano de óleo vegetal.

Se optar por azeite de oliva, coloque um pouco menos que as medidas de óleo vegetal. Para sólidos como manteiga/margarina, menor quantidade uma colher rasa, maior quantidade uma colher um pouco mais cheia. Para banha de porco, ponha muito menos, já que quando ela se dissolve você pode acabar ficando com MUITO líquido.

Novamente, as medidas são via chutômetro. A quantidade de óleo é para fritar bem o arroz. Se ele ficar encharcado precisaremos de mais arroz. Ele tem que ficar levemente brilhante quando misturar os dois na panela.
Já botou o óleo? Ok, hora de ir para a cebola, o alho ou, se preferir, direto o arroz.
Eu pego um dente de alho, descasco e corto em rodelinhas não muito finas e nem muito grossas. Lembre-se de deixar o fogo alto.

Tire-as (se as pessoas não gostarem do alho frito) quando estiverem douradas. Se elas ficarem marrons, você passou do ponto e deve remover imediatamente.

Diminua o fogo, tire a panela de lá e com uma colher retire os pedaços de alho e bote-os num pires. Coisa quente e saco de lixo não se dão, lembre-se disso.

Aproveitando que a panela fora do fogo, coloque o arroz que estava reservado. Se você tem medo de se queimar ou nunca cozinhou na vida, coloque a panela numa bancada (preferência por granito, se for madeira ou plástico, coloque um pano de prato dobrado entre a panela e a bancada). Aí despeje o arroz. Não fique muito próximo, pois se ainda tiver água no arroz, em contato com o óleo quente as gotas podem subir e te queimar. Ainda que eu viva dizendo que estar na cozinha, mesmo com todo zelo, você sempre está sujeito a sair de lá com alguma queimadura leve ou corte. A questão é estar atento e fazer de tudo para evitar, por isso, evite lavar o arroz e já tacá-lo direto na panela.

Pronto, meu arroz está na panela, o que faço agora?
Como metal é um ótimo condutor de calor, evite esse tipo de material na hora de cozinhar. Eu costumo usar uma colher de madeira, mas você pode usar espátula de silicone ou qualquer outro plástico que não derreta em altas temperaturas.
Ainda assim, não há nada melhor do que a madeira.

Agora é hora de fritar o arroz, você vai mexê-lo, misturando e mudando os grãos de lugar, o que estava em cima vai para baixo, o que estava de um lado vai para o outro. Faça isso em fogo alto, mexendo uns dois a três minutos ou até quando sentir que o arroz está mais pesado para sair do lugar e está se juntando um com outro (sem grudar, é claro). Quando perceber essa situação ou chegar no tempo determinado, diminua bem o fogo e continue a mexer mais um pouco (trinta segundos a um minuto).

4ª etapa
Lembra da água que você botou para ferver e já deve ter borbulhado feliz da vida? Quando ela ferver e começar a borbulhar, diminua o fogo onde está a leiteira.

As pessoas costumam errar o ponto da água, um dos definitivos para termos um arroz soltinho ou mais grudado que gente no metrô em horário de pico.

Com o fogo do arroz baixo, tome cuidado ao colocar a água (ela pode subir, dependendo da temperatura da panela).
Tem que sobrar meio dedo de água entre a superfície dela e do arroz, essa medida você pode obter com a colher que você está usando. Vai sobrar água nessa caneca (ou melhor, deve sobrar), então retorne-a ao fogo. Caso seja necessário você colocará mais.

5ª etapa
A hora do sal.

Eu prefiro colocar o sal agora, pois é mais fácil de controlar o sabor.
Nunca salpique com a saleira, você perderá tempo. Opte por um recipiente com tampa, compre um saco de sal (marítimo, iodado, qualquer um da sua preferência) e coloque-o lá.
Se só tiver saleira, salpique na colher para evitar acidentes. Vai que a tampa da saleira cai e o seu arroz vira o sal em pessoa, né?

Coloque uma pontinha de sal (ponta da colher) na quantidade da unha do polegar e misture no arroz.
Para ver se está no ponto ou precisa de mais sal, pingue um pouco da água na palma da mão ou em um pires e prove. Assim você vai acrescentando aos poucos o sal.

Melhor um arroz sem sal do que um terrivelmente salgado, vai por mim.
Lembrando sempre que é preciso controlar o consumo de sódio, já que em excesso ele faz muito mal.

6ª etapa
Aumente o fogo, deixando no médio e tampe a panela.
Detalhe: não feche completamente, deixe uma pequena abertura para o vapor sair.

Dica: falando em vapor, cuidado com ele. Muitas pessoas sofrem queimaduras nos rostos e nas mãos por abrir as tampas do modo errado. Sempre abra para lateral ou para frente, fazendo com que sua cara fique de frente com a haste da tampa. E, obviamente, não enfie o rosto em cima da panela.

7ª etapa
Fique de olho no arroz, pois ele é tão traiçoeiro quanto leite fervendo.
Quando a água estiver quase secando (não mais encharcada como estava e agora dando para ver bem os grãos, ainda que esteja com um pouco de água), tampe a panela, fechando a saída de vapor e diminua o fogo.

Dê uma olhada de cinco em cinco minutos diminuindo esse prazo para três em três quando a água secar.
Vá com um garfo e pegue um pouquinho do arroz, despejando-o na palma da mão.

Se ele ainda estiver meio duro, pegue a caneca de água e despeje um pouco nas bordas e entre o centro, tampando novamente a panela e esperando uns três a quatro minutos.

Se você provar e o arroz estiver macio igual ao que você normalmente come, desligue o fogo e chame a cambada para almoçar!

E a água?
Desligue o fogo e reserve. Você pode usar para fazer café ou até mesmo para tomar quando ela estiver mais fria.

Tentei deixar a receita a mais clara possível, espero ter ajudado.
E, olha, botar o modus operandi [entendido aqui como: modo de preparo] em palavras deu um trabalho danado!

* ~ * BLOGANDO DA COZINHA * ~ *
- Purê de batata -
Não tem coisa melhor do que um arroz bem quentinho com um purê de batata bem cremoso!

E neste post você além de aprender uma receita, leva outra de brinde! Que tal? O Kimono Vermelho te ajudando a melhorar as habilidades na cozinha!

1ª etapa
Quantidade é uma palavra que sempre me complica aqui no blog, pois estou tão acostumada ao "olhômetro" que fico confusa quando preciso dar medidas para vocês.

Já aviso, não dá para fazer uma quantidade decente de purê sem pelo menos TRÊS batatas médias.
Neste caso usei as batatas inglesas e não faço a menor ideia de como a receita fica com outros tipos. Convido o leitor a testar em casa e me contar depois se quiser.

2ª etapa
Vamos botar as batatas para cozinhar.

Lave bem as batatas, coloque-as em uma caneca ou panela, encha de água (não até a boca, só até cobrir as batatas) e bote no fogo alto.
Meu fogão é o suprassumo da desgraça, então eu só dou uma olhada nas batatas depois de uns 30 a 45 minutos. Se você tem um equipamento mais decente, 30 minutos é a sua primeira parada.

3ª etapa
Com um garfo você espetará as batatas.
Se estiver duro, não está no ponto.
Se estiver duro querendo amolecer, não está no ponto.
Se estiver macio está no ponto.

4ª etapa
Tire-as da água e deixe em um prato. Com a batata ainda meio quente, descasque-as. Sim, vai doer dedinho, pode parar para botar os dedinhos na água corrente, mas não deixe a batata esfriar, se isso acontecer ela vai ficar dura e ruim de amassar.

5ª etapa
Se você tem aquele amassador de batatas, sua vida é linda. Só não esqueça de passar a mistura umas duas ou três vezes pelo amassador para ficar legal.
Se assim como eu você ainda não lembrou de passar em uma loja de utensílios domésticos e comprar um desses, bora resolver isso no garfo.

Não tenha preguiça. Precisa amassar as belezinhas tentando deixar a mistura a mais homogênea possível. Sempre que encontrar um caroço de batata, acabe com ele como acabaria com seus inimigos.

6ª etapa
Depois de tudo bem amassadinho, pegue a panela que você vai usar para fazer o purê, coloque uma colher razoável de margarina/manteiga para derreter e deixe a panela em fogo médio.
Não precisa esperar a manteiga derreter, pode colocar a massa de batata e mexer.

7ª etapa
Coloque um copo americano de leite na mistura da panela e deixe a caixinha de leite por perto, pois você pode ter que acrescentar mais.
Se a sua manteiga/margarina já for salgada, só coloque uma pitada pequena de sal. Caso contrário, duas pitadas generosas resolvem o problema. Lembre-se, o purê não deve ficar muito salgado.


CUIDADO!: não coloque o dedo no purê da panela, porque ele pode azedar. Nada de raspar a colher com o dedo (mesmo que limpo) e depois colocá-la de volta! NÃO FAÇA ISSO OU VAI ESTRAGAR TODO O TRABALHO QUE TIVE ESCREVENDO ESSE POST!

8ª etapa
Sabe aquele "misture bem até ficar homogêneo" que sempre aparece nas receitas, pois bem, é para você misturar essa bagaça. E não fique surpreso se a massa ficar pesada, é assim mesmo. Haja força no braço!

Vá adicionando o leite para ficar no ponto que você preferir:
-Mais mole, mais leite;
-Mais duro, menos leite.

Não se importe com os caroços pequenos de batata que surgirem mesmo depois de você ter passado longos minutos apertando as batatas com o garfo, acontece.

O leite e a manteiga/margarina servem para dar uma boa liga à massa de batata.

9ª etapa
Quando tiver misturado bem (tudo isso em fogo médio, por favor!!!), deixe cozinhar um pouco. É nessa hora que você verá as borbulhas estourando e saindo vapor como se o seu purê fosse receita de bruxa. Relaxa. Vá mexendo para não grudar e queimar no fundo da panela.
E repita o processo de:
-Parar
-Ver a receita da bruxa
-Mexer
Faça isso umas três ou quatro vezes, tampe a panela e desligue o fogo.

SUPER DICA!: Em dias muito quentes a comida pode estragar se ficar longe da geladeira, então sempre guarde um espaço nela para colocar o que sobrou e você pretende esquentar mais tarde.

OUTRA SUPER DICA!: Para re-aquecer o purê de batata, ligue a panela em fogo médio, coloque 1/4 de copo americano de leite e mexa, repetindo o processo da 9ª etapa.

DICA QUE VOCÊ NUNCA DEVE ESQUECER: Todas as receitas têm seu tempo de preparo, não apresse deixando tudo em fogo alto (ainda mais quando você vai requentar a comida), pois você pode queimar o alimento, deixar a casa fedendo e ficar sem ter o que comer.

A comida está servida!
Espero que o post tenha ajudado quem se aventura na cozinha como eu e que não quer ser conhecido como o "inútil do miojo" ou o "rico que sempre pede delivery e/ou vai jantar fora". É sempre bom dominar vários tipos de habilidades, entre elas a da cozinha.
Se tiver alguma dúvida e eu puder ajudar, 'tamos aí!

Sei que os posts aqui têm ficado raros, porém, não tenho mais nenhum controle sobre a minha vida no trabalho. Estou como um barco à deriva sendo jogado para todos os lados pelas ondas, esperando com afinco que nenhuma delas me quebre. Com isso vem o cansaço e o sono atrasado. Não sei se ainda tenho direito de pedir compreensão a vocês, pois é o que me sobra.

Nos vemos numa próxima vez!

Por Kimono Vermelho (04/11/2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.