sexta-feira, 30 de maio de 2014

O puritanismo dos hipócritas

Este blog parece que se profissionalizou em polêmicas, apesar dos gostos da blogueira serem outros.
De qualquer forma, caro leitor, botar o dedo na ferida e fazer as pessoas pensarem deveria ser um ofício praticado mais vezes, assim quem sabe aos poucos traríamos mais gente para o lado menos ignorante da vida.

Antes de prosseguir a leitura tenha em mente alguns avisos:
-A opinião é pessoal e ela não vai mudar só porque alguém achou ruim;
-Argumentos aqui funcionam melhor do que bala de canhão;
-Debates que resultem em maior entendimento do assunto são muito bem vindos;
-Discussões, mimimi e crianças birrentas serão colocadas para fora a pontapés e chineladas.

Bom, vocês foram avisados.

O Caso, A Ignorância, A Falta de Educação
No meio do mês passado vi uma notícia no G1 falando sobre a demissão de um professor que postava contos eróticos na internet e entrei em desespero, já que pretendo criar um blog SÓ para esse tipo de conto: o Kimono Verde.
Não, não leciono em escola nenhuma, contudo, nunca se sabe quando os puritanos hipócritas irão atacar outra vez.

O interessante dessa história é que o professor não divulgava o site na sala de aula, apenas em seu perfil pessoal em uma rede social.
O que chama a atenção neste caso é que mais uma vez alguém vira vítima em uma cidade do interior, em uma escola e por conta da insegurança e ignorância dos pais. Caso o digníssimo leitor não tenha visto, escrevi um post semelhante sobre o caso de Taubaté e o Diabo.

Então temos a sequência:
-Professor dá aulas para crianças e adolescentes entre 10 a 15 anos;
-Professor escreve contos, entre eles alguns eróticos, e publica na internet;
-Professor não faz propaganda disso na sala de aula;
-Professor divulga esse seu "segundo trabalho" em uma rede social.

Eu não vi nenhum erro aí em cima. Você viu, leitor?

Na minha opinião criança (menores de 11 anos) e pré-adolescente (12~13 anos) não tem que ter acesso a rede social.
Primeiro: rola mais lixo no Facebook do que na coleta de lixo de toda São Paulo.
Segundo: seguir professor é suicídio, ainda mais quando você fala de cola, reclama da aula e esse tipo de coisa.
Terceiro: pessoal passa mais tempo jogando conversa fora do que aprendendo algo útil.
Sem falar que boa parte dessa turma não sabe de fato usar a internet e nem parece ter maturidade mental para (salvo raríssimas exceções). Uma das grandes provas são aquelas criaturas adoráveis que não sabem escrever e que MUITO MENOS conseguem formar frases compreensíveis. Na boa, a internet é um lugar abarrotado de gente que escreve em códigos indecifráveis porque não faz questão de aprender o próprio idioma.

Não acho que professor tenha que aceitar aluno em rede social, pois existem aqueles sacanas que ficam só te monitorando para espalhar sua vida para o mundo inteiro, ou seja, evite esse tipo de dor de cabeça.

E por fim vamos falar daqueles que deveriam educar, mas que preferem coçar - com o perdão da palavra - o saco em vez de se movimentar para criar a coisinha fofa que eles botaram no mundo.
Quem impõe limite às crianças são os pais e não devem ficar alisando a cabeça para não criarem gente insuportavelmente birrenta, que depois é chutada pela vida até a sarjeta, onde normalmente "morrem".

Esses pais que ficaram insistindo com a direção por medidas duras/drásticas/sérias são os mesmo que acham bonitinho uma criança de 6 anos falar palavrão, que deixam os filhos escutarem aqueles funks pesados, que não controlam o tipo de informação que eles vêem na TV e na internet. Ou vai me dizer que o seu filho de 8 anos tem passe livre para entrar em site de conteúdo adulto e ver cenas que podem deturpar a compreensão dele sobre assuntos como nudez e sexo.

Informação e diálogo são dois pilares importantes, junto com o respeito e a confiança, que devemos manter em um relacionamento pais-filhos. Na 4ª/5ª série do Ensino Fundamental os professores contam como de fato nascemos, ou seja, não queira tapar o sol com a peneira achando que esse negócio de repolho e cegonha ainda colam. Os novos progenitores precisam se modificar, modernizar, para acompanhar as novas gerações sem esquecer o que é certo e o que é errado, impondo limites reais e mostrando que todo comportamento ruim gera uma consequência ruim, enquanto bons gestos trazem bons momentos.

Não sabem educar, não conversam, tem medo de tudo?
Se você é incapaz de cuidar de um ser humano em formação, não o tenha, e caso a gravidez não seja planejada, dê para adoção, assim alguém realmente competente (é o que se espera) vai saber o que fazer.

Já foi o tempo de esconder as coisas dos pequenos. Hoje eles são extremamente espertos e dão um baile até na minha geração que foi conhecer computadores com 5~6 anos (meu caso).

Mais uma vez a escola ruiu e se curvou ao conservadorismo barato. Compreensível, pois os pais poderiam muito bem tirar os alunos de lá e isso impactaria diretamente na receita da instituição, que é particular.

Chega a ser patético ouvir:
"Então, você vai ser demitido por escrever contos eróticos em um blog que você divulga no seu perfil pessoal do Facebook, e não na sala de aula."

Acho uma pena o professor ter passado por isso e espero que ele encontre um novo emprego em uma escola menos arcaica.

Pensando aqui com os meus botões, não teria sido o caso de chamar os pais para uma reunião com o professor e ele explicar a situação (por mais que isso também soe patético)?
Talvez abririam uma discussão sobre informação na internet e o quanto seus filhos devem e podem ter acesso, além de palestras aos alunos sobre cyberbullying, crimes virtuais e todos os perigos em que somos submetidos quando abrimos o navegador.

Bem, o que esperar de uma cidade do interior, certo? O pessoal de lá parece que estacionou no tempo em alguns quesitos.
São José dos Campos já pode dar as mãos a Taubaté.

Como diria Bóris Casoy: "Isso... É... Uma vergonha!"

Nos vemos na próxima polêmica!

Por Kimono Vermelho (30/05/2014)

2 comentários:

  1. Saudações


    Isso para mim tem nome: trata-se do "politicamente correto" agindo de maneira viril e desumana.

    Na verdade, as pessoas que demitiram o professor o imaginaram como alguém maligno, que iria transformar as mentes dos alunos e torná-los pervos e afins. Desculpa esta que não é cabível pois, na verdade, presumo que tais responsáveis demitiram o profissional por pensar mais à frente, sobre o que ocorreria se os pais destes alunos soubessem sobre o que ele publica em um blog particular. Ainda assim, não passa de uma desculpa das mais esfarrapadas para mim.

    É uma pena ver que existem pessoas com mentes retrógradas na administração escolar em geral. Se o profissional tivesse propagado seu discurso sobre o blog para os estudantes, a instituição teria agido de acordo (mas este não é o caso, pois o professor nunca fez isso).

    Regressão lamentável.
    Espero que este profissional encontre, em uma nova escola, a acolhida e o tratamento que merece, como professor que é.


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carlírio!

      Enquanto isso as escolas não punem alunos que agridem professores verbal ou fisicamente, além de manterem um sistema arcaico que não sabe sequer resolver problemas como o bullying.
      Esperamos que isso mude o mais breve possível.

      Obrigada pelo comentário!

      Excluir

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.